Nome:
Pass:
Registo Recuperar
.
Todas as crónicas

Mercado de Inverno 2011/2012 - Os alvos internos por Hernâni Ribeiro em 2011-12-26

É Natal, é Natal, mas nem todas as prendas chegam no dia 25. Com o Natal chega Janeiro, e com Janeiro chega a re-abertura do mercado. Aqueles 31 dias em que se renovam esperanças na resolução daquela lacuna no 11 inicial, mas em que ao mesmo tempo cresce o medo de perder aquele jogador que levou a equipa às costas na 1ª metade da época. Uma análise mais fria dirá que a maioria das tentativas de acerto, especialmente vindas de fora, resultam falhadas no deve e haver, daí que lancemos aqui um olhar sobre os jogadores que mais se destacaram nas equipas médias do nosso campeonato, e que nos parece, têm claramente para qualidade para voos mais altos.

Diego (Vitória Setúbal) - Um dos maiores mistérios do nosso futebol, como é que este excelente guarda-redes ainda não deu o salto para outros patamares. É certo que já conta com 32 anos, mas como está a mostrar Artur Moraes no Benfica, é provavelmente nesta fase que os guarda-redes encontram o pico da sua forma. Numa altura em que as balizas dos 3 grandes estão bem entregues, talvez fosse ingrato para este especialista em grandes penalidades ir parar ao banco de qualquer um deles, mas Diego já deu provas mais que suficientes que também não é pior que Helton, Artur ou Rui Patrício. Quem sabe se não será o sucessor de Quim...

Fabiano Freitas (Olhanense) - A maior revelação da época no que à baliza diz respeito. E maior não é um adjectivo casual. Com uma estampa impressionante (1,97m), este ainda jovem guarda-redes com formação no São Paulo tem sido um dos abonos de família da boa época que o Olhanense tem estado a realizar. Na retina ficou especialmente a exibição contra o Vit. Guimarães, em que negou praticamente 5 golos certos aos homens do berço, mas também esteve em excelente plano contra Sporting e Porto. Será muito difícil ficar na Olhanense para além de Janeiro.

Luís Neto (Nacional) - Já se tinha destacado no Varzim, despertanto ao que se falava o interesse do Benfica. O Nacional foi mais astuto, garantiu-o até 2016, e só tem razões para estar muito feliz com a aposta. Pelo que tem demonstrado esta época, onde ganhou o lugar à 4ª jornada e pegou de estaca, tem tudo para fazer parte do futuro da selecção nacional. É muito forte na antecipação, o que lhe permite fazer poucas faltas, nunca tendo visto nenhum cartão vermelho na sua carreira.

Luisinho (Paços Ferreira) - Este ex extremo-esquerdo do Aves está a ter uma época de estreia na 1ª liga de deixar água na boca. Adaptado a lateral aquando da chegada de Luís Miguel, revelou-se talvez das poucas boas ideias do já demitido treinador espinhense. Rapidíssimo e com boa técnica, é muito acutilante pelo seu flanco mas também se safa bem a defender. É talvez demasiado leve ainda, mas não é nada que não possa ser trabalhado num clube de outra dimensão. Pelo menos tem feito por essa oportunidade.

Roberto Sousa (Marítimo) - Falar em Roberto Sousa por esta altura é lembrar aquele golaço que ajudou a eliminar o Benfica, mas Roberto Sousa é claramente muito mais que isso. Há 4 épocas consecutivas em Portugal, apareceu no Leixões vindo do Celta de Vigo a jogar como nº8. Saltou na época seguinte para o Marítimo e aí foi adaptado desde logo a funções mais defensivas e bem. É o melhor recuperador de bolas da liga, com uma média de 23 recuperações por jogo. Um número impressionante que não pode ser ignorado, e que só é possível graças a um excelente posicionamento, atitude e concentração constante. É claramente jogador de equipa grande, e muito semelhante a Rinaudo por exemplo...

Adrien Silva (Académica) - E por falar em Sporting e em meio-campo, cá está outro dos grandes destaques da época. Um dos jogadores que mais prometeu nas camadas jovens da selecção nos últimos anos parece estar finalmente a aparecer e pronto para explodir mais cedo ou mais tarde para a selecção A. A isso não será em nada alheio o facto de estar finalmente a jogar na sua melhor posição. Apareceu no Sporting como trinco, algo que nunca o foi e que prejudicou muito a sua evolução. É um 8 muito mais 10 que 6, e a prová-lo estão os 7 golos que já apontou em 18 jogos esta época. Parece no entanto que isso ainda não chega para abrir os olhos aos dirigentes leoninos, que precisando agora de um jogador para essa mesma posição preferem resgatar mais um estrangeiro a outro campeonato...

Christian Atsu (Rio Ave) - Continuando na senda dos emprestados pelos grandes, passamos para aquele que para mim tem sido a maior revelação da época. Christian Atsu é daqueles a quem habitualmente se chama “diamante em bruto”, mas este já não está assim tão em bruto quanto isso. Por tudo o que tem feito teria lugar em qualquer equipa ideal desta primeira fase da época, e já está muito bem preparado para voos mais altos. Voar é mesmo a sua especialidade, aterrando sempre num pé esquerdo que faz magia, assiste, marca e está constantemente ligado à corrente. Cabe agora aos responsáveis do Porto decidir se continua a evoluir com Carlos Brito ou se é resgatado para a casa mãe, mas se há futuro no dragão um dos nomes é ganês.

Salvador Agra (Olhanense) - Mais um ex-varzinense em grande nestes 5 meses de campeonato, e na minha opinião também acompanhará Neto no futuro de quinas ao peito. É um talento nato pelas alas, à boa maneira portuguesa, com velocidade, técnica, imprevisibilidade e bons cruzamentos. Faz de alguma forma lembrar Fábio Coentrão, e é pena que ao que parece os grande estejam a dormir. Fala-se muito que irá fazer companhia a Petit e Sereno no Colónia já na reabertura do mercado. Uma pena, porque o futebol alemão não parece ser o mais indicado para as suas características. De qualquer maneira, decorem o nome, Salvador Agra é daqueles que até pela determinação que demonstra vai andar por aí a gerar milhões num futuro próximo.

Mateus (Nacional) - Hesitei de certa maneira em incluir Mateus neste lote. Confesso também pela idade, mas que diabo, alguém em Portugal tem que dar o exemplo de que um jogador com 27 anos ainda não está acabado. Ao contrário de Salvador Agra, não irá com certeza gerar milhões num futuro próximo (a não ser talvez numa indeminização pela FPF ao Gil Vicente), mas é uma garantia de gerar bom futebol e isso devia ser suficiente para que se olhe mais para ele. É o homem que rema contra a maré no ataque deste Nacional, muitas vezes jogando por 2 e por 3, e que se calhar se fosse mais egoísta aparecia mais nos resumos e tinha o destaque merecido. Está em fim de contrato e vamos ver onde vai parar. Se calhar ao Girabola.

Melgarejo (Paços de Ferreira) - Era um desconhecido, agora já é conhecido e é bom. Bom demais para o que este Paços tem demonstrado e talvez fosse boa ideia para o Benfica colocá-lo num clube mais ambicioso. 6 golos para quem tem jogado a extremo-esquerdo no último classificado não deixam dúvidas. Ainda há vagas no Granada para Melgarejo? E no Benfica?

Edgar (Vitória de Guimarães) - É para mim outro grande mistério. Edgar é jovem, internacional-brasileiro, remata bem, joga bem de cabeça, não é lento, e o resultado é que garante consistentemente cerca de 15 golos por época. Mesmo assim teimam em não lhe dar a oportunidade de subir para um degrau maior e até parece nunca ser dos bem-amados dos sítios por onde passa. Esta época já apontou 8, num Vitória muito titubeante, coisa a que Edgar também tem sido imune. Também está em fim de contrato e por isso podemos estar na presença do futuro melhor marcador do campeonato cipriota...

Éder (Académica) - E só para variar, parece que neste alguém reparou. Éder já está a caminho do FC Porto, prémio justo não só pelos golos desta época, mas também pela constante evolução que tem demonstrado ao longo dos anos. Tenha ele o espaço para continuar a crescer (sem pressas como no caso de Kléber) no Dragão a fim de podermos ter um bom Nº9, finalmente, na nossa selecção.