Nome:
Pass:
Registo Recuperar
.
Todas as crónicas

Onze da época CPP - Zona Norte por Bruno Gens Luís em 2017-05-30

Fruto do sucesso que têm tido, cada vez mais os jogadores do CPP são procurados pelas equipas de divisões superiores. Exemplos como João Amaral, Marco Baixinho e Costinha são apenas um chamariz para a imensa qualidade que abunda neste escalão e que continua por explorar, seja por falta de atenção, ou devido a direitos de formação que infelizmente vão travando a progressão na carreira de jovens talentosos.

Face ao escrito acima, iremos elaborar aqueles que são, em nossa opinião, os melhores “onzes” das diversas séries, começando pela fase de subida Norte.

Jonas Mendes (Salgueiros)

Sobejamente conhecido, já com presenças na 1ª Liga Portuguesa, este internacional Guineense esteve em grande nível durante toda a temporada (onde se ausentou durante um período para representar a sua selecção na CAN). 16 jogos sem sofrer golos em 24 presenças, cunhados de exibições de alta qualidade, mostras de excelentes reflexos e agilidade, fazem dele o nosso nº1

Nanú (Marítimo B)

Lateral direito acutilante, sempre pronto para fazer estragos pelo seu corredor. Rapidíssimo, muito ágil e bom tecnicamente, é fundamental no processo ofensivo da sua equipa. Já merece oportunidade na equipa principal.

João Faria (Merelinense)

Aos 26 anos ainda é um jovem, mas já com bastante experiência, basta ver por onde passou. Autoridade, agressividade no ataque à bola e um forte jogo aéreo, fazem dele um perigo quando sobe à àrea contrária nas bolas paradas. De salientar a facilidade na saída com bola e a boa leitura de jogo, que o fazem estar constantemente no lugar certo.

Raphael Almeida (Lusitano Vildemoinhos)

Uma das surpresas da época. Acabado de chegar da distrital de Viseu, conseguiu impor-se e mostrar toda a sua qualidade. Alto e possante central esquerdino, com excelente concentração competitiva e leitura de jogo, que lhe permitem estar constantemente bem posicionado em campo e antecipar-se aos seus oponentes, apesar de igualmente ser conhecido pelo sua qualidade de desarme. Também possui qualidade na construção.

Tiago Cerveira (Salgueiros)

Formado na academia de Alcochete como extremo, recuou no terreno e actua como lateral hoje em dia. Mantém a vocação ofensiva que sempre o caracterizou e acrescentou qualidade no processo defensivo. Depois de duas épocas em excelente nível, o salto para escalões profissionais deve estar próximo.

Amorim (Oliveirense)

Destacámo-lo recentemente no facebook. Muito talentoso, joga e faz jogar, e é um dos jogadores mais inteligentes da competição. Trata a bola como se fosse a sua namorada.

Crespo (Merelinense)

Já com contrato assinado com o Sporting de Braga, este jovem centro-campista de excelente porte físico tem como virtude predominante a sua grande capacidade técnica, de onde se salientam as suas recepções orientadas e qualidade de passe. Tem ainda uma excelente visão de jogo.

Filipe Oliveira (Marítimo B)

Mais um médio de características ofensivas e excelente porte físico que não pára de marcar. Organizador de jogo da sua equipa, dotado de uma canhota de luxo da qual faz uso para alimentar os elementos ofensivos da sua equipa com passes a rasgar, ou mesmo para aparecer a finalizar jogadas.

João Rodrigues (AD Oliveirense)

Já bastante experimentado em competições profissionais, andou escondido na distrital do Porto nas últimas duas temporadas. Um desperdício, diga-se. 6 golos na fase de subida, 16 no total da época, explicam o porquê, mas não se fica pelos “números”. Jogador imprevisível, sem medo de partir para cima dos defesas, é um verdadeiro desequilibrador que deixa defesas inteiras de “cabeça à roda”. Tem facilidade de remate, que usa e abusa durante o jogo, mesmo que por vezes não seja a melhor opção.

Alemão (Oliveirense)

Apesar de jogar mais regularmente pela direita, é demasiado influente para o deixarmos de fora deste onze. Outro desequilibrador, com menos golo mas mais envolvimento com a sua equipa no processo defensivo. Alia a velocidade, agilidade e drible para atormentar os defesas e causar instabilidade defensiva aos seus oponentes.

Agdon (Merelinense)

Depois de 3 épocas com pouco tempo de jogo no Braga B, surpreendentemente apareceu a jogar em Merelim nesta temporada. A sua consolidação na equipa inicial apenas aconteceu na zona de subida... e que fase, com 6 golos e muitas dores de cabeça aos adversários. Uma autêntica carraça que nunca dá uma bola por perdida. Apesar da baixa estatura (1,76) aguenta bem o choque e tem bom jogo de cabeça, ao qual alia uma velocidade incrível e facilidade de finalização com ambos os pés. Claramente na divisão errada.

Banco de suplentes

Filipe Ferreira (Oliveirense)

Pedro Tavares (Gafanha)

Gil Dias (AD Oliveirense)

Silla (Lusitano Vildemoinhos)

Vasco Braga (Merelinense)

Aylton Boa Morte (Salgueiros)

Badara (Amarante)