FootballPortugal.net - Canedo 2011/2012


Name:
Pass:
Register Recovery
.



Canedo Futebol Clube
Nome: Canedo
Association: AF Aveiro
Hometown: Canedo, Santa Maria da Feira
Stadium: Valadas
Founded in: 1984
Address: Av Eleito Local
4525-011 - Canedo Vfr
Web: facebook.com/Canedo-Futebol-Clube-118633524893102
Squad 2011/2012
<<   >>
Staff
T António Cerqueira
Pedro Pais
Eurico Sá
Staff
Domingos Mendes(ADJ), Robalinho(PF)
Entradas
Márcio (28)Fiães (I R)
Manú (25)São Roque (Ol. Azeméis) (I R)
Zé do Porto (26)São Roque (Ol. Azeméis) (I R)
Toninho (22)U. Lamas (I R)
Jota (24)São Roque (Ol. Azeméis) (I R)
Higuita (21)São Roque (Ol. Azeméis) (I R)
Mica (20)Alpendorada (III)
Paulinho (22)Cruzeiro de Silvalde
Fernando Borges (28)São Roque (Ol. Azeméis) (I R)
Pedro Oliveira (24)São Roque (Ol. Azeméis) (I R)
Pinta (23)Caldas São Jorge (II R)
Fábio (19)Canedo (JUN)
Tiago Fontes (22)ADRAV (II R)
Pedro Gil (22)SC Arcozelo (I R)
Pedro Pais (34)
Pedrito (27)Bustelo (III)
Pinto (20)Fiães (III)
Perigoso (31)ADRAV (II R)
Armando (29)U. Lamas (I R)
Valente (17)Canedo (JUN)
Cláudio (21)Lobão (II R)
Pacheco (18)Sanjoanense (JUN)
João Paulo (18)Canedo (JUN)
China (20)
Pedro Leiras (17)Canedo (JUN)
I AF Aveiro
Keepers Defenders Midfielders Forwards
1Perigoso2Cláudio4Pinta17Jota
18Armando15Manú6Paulinho20China
23Higuita19Fábio7Márcio85Zé do Porto
 Pedro Leiras5Pedro Pais8Rochinha21Pacheco
  14Valente10Paulo Sérgio9Tiago Fontes
  3Toninho16Pinto9Pedro Gil
  13João Paulo7Pedrito27João Loureiro
  22Pedro Oliveira8Mica  
  26Fernando Borges    
Acordar a tempoRaúl Paiva

Depois de uma brilhante temporada em 10/11 que culminou com a subida de divisão, o futebol sénior do Canedo voltou a ficar marcado por alguma indefinição, que no entanto foi rapidamente resolvida com as garantias de que o clube continuaria. Mário Cardoso era então o novo timoneiro do futebol canedense, e tinha desde logo a seu cargo construir uma equipa em pouco mais de um mês. A equipa técnica responsável pela subida não esperou pela resolução dos problemas administrativos e partiu para o Mosteirô FC, que na época anterior, tinha sido apenas e só o último classificado da II Divisão Distrital. E para além da equipa técnica o Mosteirô recrutou ainda sete jogadores ao Canedo.

Para orientar o clube no regresso ao primeiro escalão do futebol aveirense, foi escolhido Eurico Sá, que havia orientado o Mansores na temporada anterior. Desde logo a nova equipa técnica deparou-se com enormes dificuldades em formar o plantel pois mantiveram-se apenas quatro jogadores da temporada anterior: Valente - ainda júnior - Rochinha, Paulo Sérgio e João Loureiro. O conjunto começou a ganhar forma com a promoção de dois ex-juniores, João Paulo e Fábio, mais cinco regressos ao clube - Manú, Toninho, Jota, Pedro Pais e China, estes últimos após paragem - algumas contratações na I Divisão Distrital - Armando, Higuita, Fernando, Pedro Oliveira e Zé do Porto - e outras contratações não tão “sonantes” como Perigoso, Pinta, Tiago Fontes e Cláudio da II Divisão Distrital, Paulinho do Futebol Popular de Espinho, Pinto ex-Fiães, e Pacheco ex-júnior da Sanjoanense. O reforço mais mediático foi o médio Pedrito, proveniente do Bustelo, da III Divisão.

Depois de uma pré-época positiva em termos de resultados, começava a dar nas vistas Pacheco com quatro golos apontados. O início de campeonato não se adivinhava fácil, e a prova disso mesmo, é que em cinco jogos Eurico Sá conquistou apenas um ponto, e foi ao empatar em casa com o Mealhada. De resto, perdeu em Paços de Brandão, Estarreja e na casa do Paivense, e foi derrotado em casa pelo Lourosa. O técnico não resistiu à quarta derrota em cinco jogos, e apresentou a sua demissão. Na sexta jornada, e com Pedro Pais a orientar a equipa de forma interina, o Canedo empatou sem golos na recepção ao Gafanha, e era então penúltimo. Nessa altura já estava na bancada aquele que seria o novo treinador dos canarinhos da Feira, António Cerqueira, que como treinador havia orientado Fiães, Valecambrense e Cesarense na III Divisão Nacional, e que como jogador, representou entre outros FC Porto, V. Guimarães e D. Chaves.

Quando o novo técnico começou a trabalhar já não encontrou no plantel o guarda-redes Armando, o lateral Cláudio, e o avançado Pacheco que haviam saído na semana anterior, nem o médio Rochinha que havia partido logo após a primeira jornada. Ainda assim Cerqueira, verdade seja dita, entrou na altura certa pois o Canedo ia começar a defrontar as equipas do ”seu” campeonato, pelo que não surpreendeu que à décima terceira jornada e após quatro vitórias em seis jogos o Canedo fosse catapultado para a décima primeira posição. Entrou logo depois numa fase mais crítica, fazendo apenas um ponto em doze possíveis e graças a um empate caseiro ante o Mourisquense.

No fecho da primeira volta, o Canedo era décimo segundo classificado, com três pontos de vantagem para a linha de água. No mercado de Inverno, o plantel voltou a sofrer mexidas: Tiago Fontes saiu devido a compromissos profissionais - semanas antes havia saído Pedrito - e para o seu lugar chegou Pedro Gil, que se juntou aos já contratados Mica ex-Alpendorada, e Márcio ex-Fiães, sendo que no caso deste último, se tratava de mais um regresso a Canedo. Os canarinhos entraram na segunda volta decididos a carimbar a manutenção o quanto antes, como o provam os dez pontos conquistados em quinze possíveis, nos quais se destacam o empate sem golos em Lourosa, e a vitória fora de portas ante o Mealhada. Seguiram-se mais três jogos com apenas um ponto conquistado em casa contra o Cucujães, que deixava o Canedo de forma tranquila na décima segunda posição e com dez pontos à maior sobre a linha-de-água. Para que o cenário fosse ainda mais favorável sucederam-se duas vitórias sobre os há muito condenados à descida Águas Boas e Macinhatense, e dois empates, um na casa do São Roque sem golos, e outro em casa frente ao Águeda, a três bolas. O Canedo entrava então para as últimas cinco jornadas com os mesmos dez pontos de vantagem para a linha-de-água e com a manutenção praticamente alcançada. Nesses últimos cinco jogos os canarinhos somaram apenas um triunfo, em casa frente ao Carregosense e um empate fora de portas frente à grande surpresa deste campeonato, Mourisquense.

Findo o campeonato, o saldo é inteiramente positivo, com o Canedo a terminar na décima segunda posição com quarenta e um pontos, mais treze que o São Roque, que foi a primeira equipa abaixo da linha-de-água. Pode-se dizer que depois de um mau início os canedenses acordaram a tempo, e garantiram a manutenção de forma inteiramente justa.

O momento - 7ª Jornada: Cucujães 1-3 Canedo

Ao fim de seis jornadas o Canedo era penúltimo com somente dois pontos acumulados, superando apenas o Rio Meão. A visita a Cucujães na jornada sete era preponderante para o futuro canedense, uma vez que além de os oliveirenses terem cinco pontos e poderem ser alcançados logo naquela jornada era o primeiro jogo de Cerqueira enquanto treinador dos canarinhos. China com um bis na primeira parte colocou o Canedo a ganhar por 2-0; os da casa reduziram de penalti para 1-2, mas Zé do Porto rapidamente fez o 1-3 e voltou a dar uma vantagem de dois golos ao Canedo. Com este triunfo o Canedo não só se estreou a vencer no campeonato como ultrapassou duas equipas e alcançou outras duas. A esta vitória seguiu-se uma derrota caseira frente ao candidato Lamas, derrota essa que deu depois lugar a três triunfos consecutivos. Para mim, este jogo foi o “grito de revolta” do plantel.

A figura: Jota

Tinha tudo certo para jogar no Fiães em 11/12 mas acabou por vir parar ao Canedo, poucos dias antes da primeira jornada do campeonato. Fora de forma, falhou o pontapé de saída da prova mas conquistou rapidamente a titularidade com Eurico, e depois de um período de utilização menos bom com Cerqueira arrancou para uma excelente temporada, jogando não somente na sua posição natural de extremo, como também a médio ofensivo e até a ponta-de-lança. Apontou onze golos, que fizeram dele o melhor marcador da equipa.

As revelações: Paulinho e China

Para mim, o Canedo 11/12 teve duas revelações. A primeira foi Paulinho, que chegou a Canedo proveniente do Futebol Popular de Espinho, uma espécie de campeonato de INATEL. Formado no Sp. Espinho e com passado como internacional por Portugal, Paulinho, que tanto joga a central como a trinco, conquistou a titularidade na posição mais recuada do meio-campo, tendo sido o jogador que em mais jogos participou no campeonato - 32. A segunda revelação foi China, formado em Canedo e que havia estado parado na temporada anterior. Convidado a treinar à experiência na pré-temporada ninguém “dava nada” por ele, mas a verdade é que o jovem canedense conquistou a titularidade com ambos os técnicos: com Eurico, no meio-campo; e com Cerqueira, como extremo. Com o desenrolar da temporada, foi baixando o ritmo, chegando a perder o lugar na equipa fruto de algum cansaço acumulado.

A desilusão: Pedrito

Pedrito era, para mim, o melhor jogador do Canedo a nível técnico. Formado no Sp. Espinho, Pedrito é um médio-ofensivo de grande qualidade, mas que acaba por ser prejudicado pela sua personalidade relaxada, algo que se percebia facilmente tanto nos treinos como nos jogos. Foi titular com Cerqueira em apenas três jogos, tendo-se revelado decisivo no triunfo frente ao Macinhatense, quando apontou um golo. Acabou por sair em Dezembro por opção própria, mas fiquei com a sensação de que havia alguém no clube que não teria coragem para o dispensar, e então esperou que fosse o próprio a optar por sair.


Who we are1 Contacts Special Thanks Did you find an error or do you have a sugestion?
FootballPortugal.net 2010