FootballPortugal.net - Canedo 2014/2015


Name:
Pass:
Register Recovery
.



Canedo Futebol Clube
Nome: Canedo
Association: AF Aveiro
Hometown: Canedo, Santa Maria da Feira
Stadium: Valadas
Founded in: 1984
Address: Av Eleito Local
4525-011 - Canedo Vfr
Web: www.facebook.com/canedofc1984/
Squad 2014/2015
<<   >>
Staff
T João Paulo
Staff
Nélson Pereira(ADJ)
Entradas
Pedrinho (34)Fiães (I R)
Luís Moreira (25)Fiães (I R)
Paulinho (21)Fiães (I R)
Samu (33)U. Lamas (I R)
Cláudio (21)São João de Ver (CNS)
Denis (25)Milheiroense (I R)
Mário Bolas (25)Sanguêdo (II R)
Estaca (19)Sanjoanense (JUN)
Fábio Gaído (26)S. Martinho (C. Paiva) (II R)
Tono (19)Sanjoanense (CNS)
Fábio Martins (18)Lusitânia Lourosa (JUN)
Delfim (30)CF Serzedo (I R)
Catota (18)Lusitânia Lourosa (JUN)
Tavares (20)Leverense (II R)
Nuno Oliveira (22)Milheiroense (I R)
Pedro (18)Lusitânia Lourosa (JUN)
Rui Rocha (16)Canedo (JUN)
Zé Luís (18)Fiães (JUN)
Nakata (20)Soutense (I R)
Zé Tó (21)Soutense (I R)
Emanuel (25)
Pina (22)
Marcos (17)Canedo (JUN)
Pires (20)Lobão (II R)
Miguel (16)Canedo (JUN)
I AF Aveiro
Keepers Defenders Midfielders Forwards
1Carlos13Zé Luís Nakata16Pedro
77David15Manú3Cláudio20Paulinho
 Pires Miguel6Estaca5Tavares
  14Delfim8Canedo11Alex
  21Pedro Pais10Denis Rui Rocha
  4Joel 16Zé Tó9Tono
  13Fábio Gaído18Pina9Nuno Oliveira
  22Pedrinho25Emanuel23Samu
  25João Marcos24Mário Bolas
  2Fábio Martins7Luís Moreira  
    17Catota  
Época atípica resulta em descidaRaúl Paiva

Depois de em 2013/2014, ter feito uma temporada absolutamente tranquila na I Divisão da AF Aveiro, o Canedo entrou para 2014/2015 com boas perspectivas de fazer o mesmo, tendo em conta que a direção continuou exactamente como estava anteriormente, João Paulo manteve-se a comandar a equipa, e o plantel recebeu reforços de qualidade.
Uma vez mais, houve uma grande remodelação no plantel, prática que já vem sendo habitual no clube nos últimos anos, e apenas continuaram oito jogadores da temporada anterior - David, Carlos, João, Joel, Manú, Pedro Pais, Canedo e Alex.
No que toca a reforços, Pedrinho, Luís Moreira e Paulinho chegaram do Fiães, Denis e Nuno Oliveira do Milheiroense, Delfim deixou o Serzedo de Vila Nova de Gaia, Mário Bolas veio do vizinho Sanguedo, Tavares do Leverense, Nakata do Soutense, Pires do Lobão, Bruno Cardoso dos Juniores da Sanjoanense, Fábio Martins, Catota e Pedro dos Juniores do Lourosa, Zé Luís dos Juniores do Fiães, enquanto que Emanuel e Pina reforçaram o Canedo depois de terem estado afastados do futebol federado durante alguns anos.

O início de campeonato não se afigurava fácil, e à quarta jornada o Canedo era último, com dois pontos, junto de Avanca e Oliveira do Bairro, graças aos empates na casa do Paivense e em casa com o Milheiroense, e às derrotas com o Esmoriz em casa e no terreno do Soutense. À quinta jornada, terceiro jogo em casa, e primeira vitória, sobre o Mealhada, por 1-0. De seguida, empate a quatro golos em Cucujães e triunfo sobre o Calvão por 2-0.
Estes sete pontos em três jogos catapultaram o Canedo para um tranquilo nono lugar, com nove pontos. De seguida duas derrotas em Ovar e Águeda, com duas arbitragens tendenciosas para quem jogava em casa, e um triunfo caseiro diante do Oliveira do Bairro, por 2-1, com o golo do triunfo a acontecer apenas no período de descontos.
Decorridas que estavam dez jornadas, o Canedo era décimo segundo em igualdade pontual com o Soutense - 12 pontos.
Nas três jornadas seguintes aconteceram três empates, dois deles em casa, com o Avanca e com o futuro campeão Bustelo, e o outro em casa do Lamas, com igualdade a uma bola e com a curiosidade de Márcio, ex-atleta canedense, ter marcado para o Lamas, e de Samú, que havia chegado a Canedo umas semanas antes proveniente do... Lamas, a restabelecer a igualdade para a turma canarinha.
Até final de Dezembro, dois triunfos, o primeiro em Carregosa por 2-1 com bis de Pedrinho, e o outro em casa emprestada, sobre o Mourisquense, por 3-0. Assim, e na primeira paragem do campeonato, o Canedo estava num mais que tranquilo oitavo lugar, com 21 pontos somados.

Porém, os problemas começaram aqui: no jogo com o Mourisquense, o Canedo foi obrigado a jogar em Vila Maior, situação que ocorreu até final da temporada. Em causa, estava o facto do campo principal das Valadas estar em obras, e de o campo de treinos, utilizado até à 14ª Jornada, não ter, supostamente, as medidas correctas.
Para fechar a primeira volta, já em Janeiro, derrotas em casa do Alba e em Vila Maior com o Fiães, que atiraram com o Canedo para o 12º lugar com os mesmos 21 pontos.
A juntar ao problema do campo, Paulinho seria suspenso por um mês, e o Canedo perderia sete pontos, devido a ter utilizado o atleta de forma irregular nas duas primeiras jornadas.
Assim, o Canedo caiu para o décimo sétimo e penúltimo lugar com 14 pontos, na véspera de arrancar a segunda volta diante do Paivense, curiosamente 16º classificado com mais um ponto.
No que diz respeito à constituição do plantel, em Janeiro já tinham saído Zé Luís, Nakata, Emanuel, Joel, Pedro Pais, Pedro e Tavares, e Delfim havia sofrido uma grave lesão nas primeiras jornadas do campeonato, que o impediu de voltar a jogar em 14/15.
Para colmatar todas estas saídas, regressou o médio Cláudio do São João de Vêr, Fábio Gaído chegou do São Martinho, e em Fevereiro, Tono veio da Sanjoanense e Zé Tó do Soutense.
Se juntarmos todas estas condicionantes às duas derrotas que fecharam a primeira volta, e se lhes juntarmos três derrotas nas primeiras três jornadas da segunda volta, a situação do Canedo, como é imaginável, não ficou nada favorável: catorze pontos em 20 jornadas, penúltimo classificado, e os adversários directos cada vez mais longe.

Porém, a situação começaria a mudar: ao empate caseiro com o Soutense que seria, aparentemente, mais um "prego no caixão", seguiram-se quatro vitórias consecutivas: na Mealhada e em Calvão, e em casa com Cucujães e Ovarense.
Assim, ao fim de 25 jornadas, o Canedo era 15º classificado com 27 pontos, e tinha grandes perspectivas de alcançar a manutenção.
A quinta vitória consecutiva esteve pertíssimo de acontecer em Oliveira do Bairro, mas o Canedo a vencer por 3-1, permitiu o empate nos descontos, e deitou dois pontos fora. Nessa mesma semana, seria, contudo, oficializada a recuperação de três dos sete pontos que o clube havia perdido, pelo que o Canedo saltou para 12º com 31 pontos.
As próximas quatro jornadas não se afiguravam nada fáceis, visto que o Canedo tinha de enfrentar três candidatos a subida, dois deles em casa, e perdeu com todos: com Águeda e Lamas, em Vila Maior, e na casa daquele que havia de ser o vencedor da prova, o Bustelo, com o Canedo a fazer o 2-2 aos 92' minutos, e com o golo a ser invalidado. Pelo meio, empate a zero em Avanca, e com o Canedo em 14º em igualdade pontual com o Soutense.
As duas jornadas seguintes seriam absolutamente decisivas, e quando apenas a vitória interessava, a equipa claudicou: empate caseiro diante do Carregosense a uma bola, e de seguida novo empate a uma bola, no terreno do Mourisquense, com os da casa a chegarem à igualdade aos... 93' minutos.
A duas jornadas do fim, e atendendo às várias despromoções iminentes do Campeonato Nacional de Seniores, já só um "milagre" salvaria o Canedo da despromoção directa: por isso, já de nada valeu o triunfo sobre o Alba, a uma jornada do fim, visto que a descida ficou aí mesmo consumada. Na última jornada, a vitória em Fiães por 2-0, permitiu ao Canedo ser 14º com 40 pontos, ficando com a expectativa de permanência no caso de haver desistências.
Depois de ter feito 41 pontos nas últimas três temporadas, o Canedo somou menos um desta feita, e processos disciplinares e resultados alterados à parte, o Canedo marcou 37 golos dentro de campo e sofreu apenas 38, pelo que seria a sexta melhor defesa do campeonato caso não tivesse perdido na secretaria dois jogos por 3-0.

A época 14/15 não foi nada normal em Canedo. Para começar, as obras para relvar o campo principal duraram quase toda a temporada, quando se previa que fosse nessa temporada que o clube se estreasse a jogar no seu novo "tapete". Obrigado a utilizar o campo de treinos, o que foi devidamente autorizado pela AF Aveiro, um empate imposto a um candidato à subida, resultou em que o clube fosse obrigado a jogar mais de meia época, semana após semana, fora de casa. Vila Maior revelou-se de má sorte para o Canedo, visto que em 11 jogos lá disputados, o Canedo perdeu cinco, venceu quatro e empatou dois.
O processo instaurado a Paulinho e ao clube, em virtude da utilização irregular do atleta nas duas primeiras jornadas, quando devia ter cumprido castigo referente a uma expulsão ao serviço do Fiães em 13/14, causou mais mossa do que apenas os quatro pontos que o clube perdeu: de um momento para o outro, o Canedo caiu para penúltimo, e o grupo ficou, como é normal, afectado com toda esta situação ao qual era alheio. E a equipa ficou privada daquele que viria a ser o seu melhor marcador na prova, com 12 golos, durante um mês.
Como "consolo", há que acrescentar que o Canedo não perdeu uma única vez, dentro de campo e em dois jogos, com os adversários que lhe ganharam pontos na secretaria.
Por fim, de Janeiro em diante, João Paulo teve grandes dificuldades em fazer uma convocatória completa, visto que o número de jogadores disponíveis foi, maior parte das vezes, inferior a 18.
Na Taça de Aveiro, o clube quebrou a malapata que durava desde 2009/2010, e passou do primeiro jogo: eliminou o Valecambrense, da II Divisão e em casa deste, no desempate por grandes penalidades, mas na eliminatória seguinte acabou por sucumbir em Vila Maior, diante do São Roque, também da II Divisão, por 1-0.
Pode-se então dizer que o Canedo viveu uma época atípica que resultou na descida à II Divisão Distrital, e pelos movimentos que vão acontecendo, a possibilidade de repescagem para o escalão maior da Distrital de Aveiro não deverá acontecer.

O momento - 26ª Jornada: Oliveira do Bairro 3-3 Canedo

O Canedo chegava à jornada 26 com quatro triunfos consecutivos, e com grandes expectativas de alcançar a quinta vitória consecutiva na casa de um rival que começava a ficar "apertado" com as contas da permanência.
Os da casa entraram fortes e marcaram cedo, tiveram chance para aumentar o resultado, mas o Canedo não só chegou ao empate aos 20' minutos, como deu a volta ao "texto", no segundo tempo, e com grande qualidade.
Porém, a um minuto dos 90', o Oliveira do Bairro chegou ao 2-3 e aos 94' minutos, no último suspiro do jogo, chegou ao empate a três golos.
Caso tivesse vencido esta partida e com os três pontos que viria a recuperar dias depois deste jogo, o Canedo teria dado um salto importante e teria ficado com a permanência muito perto. E bem vistas as coisas, os dois pontos desperdiçados nesta partida, teriam sido mais do que suficientes para que o objectivo da temporada tivesse sido alcançado.

A figura: Paulinho

Paulinho merece muito mais que a Distrital. É um extremo de inegável qualidade, com formação feita no Feirense, e que chegou ao Canedo proveniente do Fiães. Ao serviço do Canedo, fez 12 golos em 29 jogos no campeonato, e falhou três jogos devido ao tal castigo. Marcou mais um golo na Taça de Aveiro, e revelou-se a grande figura da equipa, mesmo que lhe tenha sido instaurado um processo disciplinar, que resultou na perca de quatro pontos. Entre os 13 golos marcados de azul e amarelo, vários foram de belo efeito, destacando-se o livre marcado em Oliveira do Bairro, e o último golo da temporada canedense, em Fiães, fixando o 2-0 final com um autêntico golaço.
Será jogador do Sp. Espinho na próxima época.

A revelação: Mário Bolas

De todos os reforços que o Canedo teve para 14/15, excluindo os que chegaram a meio da temporada, apenas Mário Bolas, Pedrinho, Paulinho e Luís Moreira tiveram destaque.
Era, por isso, difícil, encontrar alguém que se tenha destacado como a grande revelação da época. Mário Bolas chegou a Canedo proveniente do Sanguedo, da II Divisão Distrital, e rapidamente desfez as dúvidas sobre se a sua contratação seria uma mais-valia para os canarinhos. Nas contas finais, estão 26 jogos no campeonato, 5 golos e várias assistências.
Foi o autor do golo que deu o primeiro triunfo da temporada, diante do Mealhada, que meses depois viria a dar em derrota na secretaria; "vingou-se" no jogo da segunda volta, ao inaugurar o marcador na Bairrada e a dar início às quatro vitórias consecutivas, tendo sido também ele o autor do 2-1 favorável ao Canedo em casa do Calvão.
Aos 26 anos já é um jogador feito, não há dúvidas disso, mas surpreendeu pela positiva muita gente que duvidou das suas capacidades. Continuará no clube em 2015/2016.

A desilusão: Andar com a "casa às costas"

Na transição de 13/14 para 14/15, apareceu uma boa notícia em Canedo: ia haver, finalmente, relvado no Campo das Valadas. As obras começaram e o Canedo, em concordância com a AF Aveiro, designou o seu campo de treinos para receber os jogos caseiros, enquanto o campo principal não estivesse pronto.
Ali foram realizados sete jogos, com três vitórias, três empates e uma derrota. Após um empate caseiro diante de um candidato à subida, caiu uma queixa contra o Canedo na AF Aveiro, e o organismo que tutela o futebol aveirense, obrigou o clube a jogar noutro campo, alegadamente "maior", enquanto o seu principal não estivesse pronto.
Conclusão: o Canedo viu-se obrigado a fazer a maior parte da temporada a jogar fora de casa. Todas as semanas o clube jogava fora, e apesar disto não servir de desculpa para absolutamente nada, foi a maior desilusão da temporada para todos os adeptos.
Para finalizar, referir apenas que, antes do tal empate contra uma das equipas candidatas à subida, nunca ninguém se havia queixado das dimensões do campo de treinos das Valadas.


Who we are1 Contacts Special Thanks Did you find an error or do you have a sugestion?
FootballPortugal.net 2010