ForaDeJogo.net - Canedo 2015/2016


Nome:
Pass:
Registo Recuperar
.



Canedo Futebol Clube
Nome: Canedo
Associação: AF Aveiro
Cidade: Canedo, Santa Maria da Feira
Estádio: Valadas
Ano de fundação: 1984
Sede: Av Eleito Local
4525-011 - Canedo Vfr
Web: facebook.com/Canedo-Futebol-Clube-118633524893102
Plantel 2015/2016
<<   >>
Treinadores
T Vasco Coelho
João Paulo
Entradas
Quim Pedro (35)U. Lamas (I R)
Badolas (32)Fiães (I R)
Zé Luís (29)Paços de Brandão (II R)
Paulo Ferraz (24)Fiães (I R)
Porto (28)Mansores (II R)
Vilar (28)Mansores (II R)
Rui (21)Arrifanense (II R)
Fabry (27)Pousadela
João Paulo (30)Caldas São Jorge (II R)
Rui Gonçalves (20)Lusitânia Lourosa (CNS)
Rúben Brito (25)Dragões Sandinenses (II R)
Kiko (20)Arrifanense (II R)
Álvaro (35)
Sérgio Ramos (26)Soutense (I R)
Jardas (24)Macieirense (II R)
Hugo Moreira (18)Canedo (JUN)
Fred (20)Caldas São Jorge (II R)
Russo (19)Lusitânia Lourosa (JUN)
Nereu (19)Fiães (JUN)
Vasco (18)Canedo (JUN)
Guedes (17)Canedo (JUN)
André Fontes (16)Canedo (JUN)
Dani (27)
Guarda-redes Defesas Médios Avançados
 Nereu13Zé Luís22Pedrinho28Fred
1Carlos44Kiko Vasco36Rúben Brito
12Rui Gonçalves6Porto André Fontes36Russo
  14Sérgio Ramos7Cláudio9Fabry
  23João Paulo8Canedo Hugo Moreira
  30Paulo Ferraz10Rui14Quim Pedro
  32João11Denis21Álvaro
   Guedes11Dani20Vilar
  16Jardas17Catota24Mário Bolas
    83Badolas  
Como defraudar as expectativasRaúl Paiva

Apontado como grande favorito à subida de divisão, não só por ter vindo da I Divisão Distrital, mas também pelo reforço que fez a nível de plantel, o Canedo acabou por ser a grande desilusão de toda a II Divisão Distrital de Aveiro em 2015/2016. Depois de uma descida algo atípica, com muitas incidências à mistura, o clube assumiu-se como candidato, reforçou-se para tal, manteve a mesma direção e o mesmo treinador, mas acabou por, falando em bom português, espalhar-se ao comprido. Da equipa que não evitou a descida, ficaram apenas oito jogadores - Carlos, João, Pedrinho, Canedo, Cláudio, Denis, Catota e Mário Bolas -, algo que, infelizmente, tem sido habitual no clube: foi a terceira época consecutiva em que o clube manteve apenas oito atletas de uma temporada para a outra. O regresso de Álvaro Carvalhinho foi a grande novidade em termos de reforços, apesar das chegadas de Paulo Ferraz e Badolas do Fiães, Porto e Vilar do Mansores, e Garupa do Paços de Brandão. A estes, que vieram trazer experiência e qualidade inegável, juntaram-se Kiko e Rui, ambos provenientes do Arrifanense, João Paulo e Fred (ex-Caldas São Jorge), Rui Gonçalves (ex-Lourosa), Fabry (ex-Pousadela), Sérgio Ramos (ex-Soutense), e ainda dois séniores de primeiro ano, de seu nome Nereu e Russo, provenientes dos Juniores de Fiães e Lourosa, respetivamente.

O Canedo começou bem o campeonato, e ao fim de dez jornadas, era líder com quatro pontos de vantagem para o segundo, embora com mais um jogo disputado. Sete vitórias e três empates resultavam numa liderança "normal", tendo em conta os objetivos do clube para a temporada. Porém, em dez jornadas, nem tudo eram "rosas": a equipa mostrava algumas falhas na concretização - que se arrastariam por toda a temporada -, e já havia ganho dois jogos fora-de-portas no período de compensação. A verdade, como já disse em cima, é que esta liderança não espantava ninguém. E até ao final do ano civil, a liderança manteve-se intacta, com mais duas vitórias e uma derrota, a primeira da época, em casa do Romariz e em condições adversas, bastando recordar, por exemplo, que Badolas levou um murro do guardião adversário dentro de área, e nada foi assinalado.

Relativamente ao plantel, este começou cedo a sofrer "baixas": Sérgio Ramos e Russo abandonaram em Outubro - embora o primeiro tenha regressado nos últimos meses da época -, Catota pediu para sair em Novembro, e Denis saiu em Dezembro. Pior do que estas quatro saídas, a maior baixa foi mesmo o processo instaurado a Mário Bolas, devido a problemas no final do encontro com o Cesarense-B, que numa primeira fase impediu o atleta de jogar devido à abertura de um inquérito, que resultaria, mais tarde, numa suspensão por seis meses. Para colmatar estas baixas, chegaram Rúben Brito, Dani e Jardas em Dezembro, e Quim Pedro em Janeiro, outro atleta bastante experiente, e com uma carreira que dispensa apresentações. Em Dezembro, acabou também a participação do clube na Taça Distrital: depois de eliminar o Argoncilhe na primeira eliminatória, o Canedo perdeu no terreno do São Roque por 2-1, sendo que o golo canedense foi apontado pelo júnior Hugo Moreira, que João Paulo havia lançado uns dias antes como titular diante do Sanguedo no campeonato.

Em Janeiro, o Canedo venceu três dos cinco jogos que realizou, tendo empatado na casa do Mosteirô da Feira a uma bola, num dia em que as condições atmosféricas foram simplesmente horríveis, e não deram tréguas durante todo o encontro. A fechar o mês, em vésperas da entrada em Fevereiro, o Canedo sofre uma goleada improvável, histórica e humilhante em casa do São Martinho por 4-1. O líder caiu com estrondo no pelado da equipa paivense, e apesar de manter a liderança mesmo com esta derrota, a Jornada 19 foi a última que teve o Canedo como líder. Seguiram-se dois empates a um golo, e a liderança já estava a três pontos. Ao triunfo caseiro diante da equipa B do Cesarense, seguiu-se nova derrota humilhante, desta feita na casa do Caldas São Jorge, que era, apenas e só, o último classificado com duas vitórias em 22 jornadas. Depois deste resultado, o Canedo já estava a seis pontos do primeiro lugar, a onze jornadas do fim. João Paulo apresentou a demissão e foi substituído por Vasco Coelho, que regressou ao clube depois de ter orientado o CFC entre 2002 e 2004. O técnico até se estreou com uma vitória, mas nos quatro jogos seguintes venceu apenas por uma vez, e a seis jornadas do fim eram já oito os pontos que separavam o Canedo da liderança, sendo que, entretanto, o clube já era quarto classificado. Nas últimas cinco jornadas, o Canedo venceu três vezes, fechando a época na quarta posição, a doze pontos do primeiro lugar, e a dez do segundo, que dava o apuramento para o play-off de promoção junto com os outros dois segundos classificados das Séries B e C.

A época, que começou com a esperança de uma possível repescagem para a I Divisão, deu lugar a uma época com o objectivo claro de subir de divisão, e acabou de forma decepcionante, com um modesto quarto lugar e com derrotas impensáveis de acontecer. Depois de uma primeira volta dentro das expectativas, com a liderança alcançada e mantida de forma relativamente tranquila, e com apenas uma derrota em dezasseis jogos, o Canedo realizou uma segunda volta horrível, em que alguns dos seus atletas não pareciam os mesmos da primeira parte da época. A juntar a isso, o plantel acabou por ser mal reforçado quando houve altura e disponibilidade para tal, e ficou, naturalmente, algo descompensado em certas áreas, destacando-se apenas o ingresso do avançado Quim Pedro que, ainda assim, só apontou três golos - dois deles com grande classe -, três épocas depois de ter sido o melhor marcador da I Divisão Distrital pela Sanjoanense. O ponto de partida para a queda começou a 31 de Janeiro: uma equipa que quer subir, não pode "levar" 4-1 de uma equipa banalíssima e que joga sem objectivos no campeonato. Seguiu-se nova derrota "escandalosa", na casa do último classificado, e as últimas derrotas na prova, seriam diante de dois vizinhos, que nos últimos anos se limitam a jogar por jogar na II Divisão Distrital. A juntar a tudo isto, o Canedo esteve cinco meses sem vencer fora. Depois de vencer em Fermedo, casa emprestada do Mosteirô Arouca, no último jogo de 2015 - jogado a 13 de Dezembro -, os canarinhos só voltaram a vencer fora na última jornada do campeonato, a 29 de Maio. O ponto positivo da época foi mesmo o facto do clube não ter perdido um único jogo nas Valadas. E, já agora, o Canedo não perde na condição de visitado, desde o dia 3 de Maio de 2015. Que na próxima época não se cometam tantos erros, e que o CFC consiga subir de divisão.

O momento - 19ª Jornada: São Martinho 4-1 Canedo

31 de Janeiro, segunda jornada da segunda volta, e o líder Canedo visita o terreno do São Martinho, décimo classificado à entrada para a ronda 19. Uma entrada em falso dos canedenses em jogo, permitiu à turma da casa inaugurar o marcador, sendo que minutos depois, Álvaro teve oportunidade de empatar na conversão de uma grande penalidade, e atirou por cima. Ao intervalo o Canedo perdia por 1-0, e o resultado era injusto, tendo em conta as oportunidades que a equipa já tinha desperdiçado para marcar. Na segunda parte o sentido único do encontro não se traduzia em golos para os canarinhos, que lograram empatar aos 72' minutos por Garupa. A partir daqui, o Canedo caiu ainda mais em cima do adversário na tentativa de virar o resultado, mas o contra-ataque dos paivenses foi demasiado letal, e o Canedo sofreu mais três golos. Foi uma derrota humilhante e inesperada, que começou por ser, bem vistas as coisas, o fim do "reinado" canedense na Série A da II Divisão Distrital.

As figuras: A "velha guarda"

Numa temporada que acabou por ter um desfecho impensável e duro, não é fácil encontrar alguém que se tenha destacado claramente dos demais. É certo que Álvaro apontou 17 golos, que Badolas jogou todos os jogos, que João Paulo foi atleta com mais minutos jogados, e que Porto foi o jogador que mais assistências fez. Porém, vou destacar a "velha guarda" do Canedo, como Carlos, João, Pedrinho, Canedo, Cláudio e o próprio Álvaro, que nos momentos menos positivos, tentaram a todo o custo levar a equipa para a frente, e não viraram a cara à luta em momento algum. Nota ainda para João Paulo, que depois de ter jogado na formação do clube, cumpriu, aos 31 anos, a primeira temporada como sénior no CFC, e foi dos atletas que mais se destacaram pela positiva.

A revelação: Hugo Moreira

Num plantel experiente, os jogadores mais jovens que foram contratados, não foram as tais "revelações" da época. Quando o plantel começou a ficar curto, entre castigos, lesões e saídas, João Paulo viu-se obrigado a recorrer aos Juniores para compor o plantel minimamente, e depois de ter convocado Hugo Moreira por duas ocasiões, acabou por colocá-lo a jogar em três encontros consecutivos, um deles como titular, sendo que o jovem esquerdino acabou por fazer o golo canedense diante do São Roque, na 2ª Eliminatória da Taça de Aveiro. Uma lesão impediu-o de jogar durante alguns meses, acabando por voltar a jogar pela equipa sénior na 30ª Jornada durante alguns minutos, acabando por ter entrado bem. Hugo, que pode actuar como defesa e extremo esquerdo, foi assim, além da grande "novidade", a revelação da época canedense, apesar dos poucos jogos que fez.

A desilusão: A segunda metade da época

Palavras para quê? Já tudo foi dito sobre a segunda metade da época canedense, que arrumou com o objetivo da subida de divisão. Vem-me à memória o que aconteceu em 09/10, quando o Canedo também dominou a Série A da II Divisão durante vários meses, e acabou por "cair a pique" na segunda volta, acabando também, curiosamente, na quarta posição. Nada fazia prever que o Canedo perdesse tantos pontos com equipas com tão pouca qualidade e, pior que tudo, ser mesmo goleado por algumas dessas. O melhor jogo na segunda volta foi mesmo diante do Romariz, que veio a Canedo como líder do campeonato, e que merecia ter sido goleado, acabando por empatar a duas bolas. Resumindo: foi uma segunda volta verdadeiramente horrível.


Quem somos1 Contactos Agradecimentos Detectou um erro ou tem uma sugestão?
ForaDeJogo.net 2010